Daiane de Oliveira Dias, condenada por participar da morte do empresário Dorian da Silva Santos, no dia 19 de julho de 2016, em Feira de Santana e que cumpria pena no Conjunto Penal de Feira de Santana no regime semiaberto, passou a cumprir prisão domiciliar na última quarta-feira (3).

Ela foi liberada após determinação judicial que permite a 320 presos que estão no regime semiaberto passem a cumprir a prisão domiciliar.

O capitão Allan Araújo, diretor da unidade penal informou ao Acorda Cidade que já foram recepcionadas 195 decisões para a conversão em regime domiciliar. Foram cumpridas 144 e outras estão em análise.

Sobre Daiane, que matinha um relacionamento amoroso com a vítima e confessou ter participado do planejamento do crime, o capitão informou que ela foi condenada por roubo e obteve uma pena de 7 anos, 6 meses e 20 dias.

Segundo ele, ela está no presídio desde 2016, foi contemplada com o regime de prisão domiciliar depois de ser presa com Davi Rios de Oliveira e Joanderson Menezes Lima que também participaram do crime. No julgamento Daiane, foi abonada do crime de latrocínio, ficou com a pena branda em regime semiaberto e devido a isso foi contemplada na decisão judicial da vara de execuções penais.

“Ela vai cumprir prisão docimiciliar a não ser que infrinja ou deixe de cumprir as obrigações constantes na decisão do juiz. Se tiver descumprido pode voltar ao conjunto penal inclusive voltando para o regime fechado. Não temos nenhum registro de indisciplina com ela, o crime que ela teve participação chocou a sociedade feirense e baiana. Tanto pela crueldade, como pelo fato da vítima ser uma pessoa conhecida. Isso chamou atenção sobre a liberação de Daiane”, afirmou.

Allan Araújo declarou que estão sendo feitas as devidas verificações para a liberação dos demais presos. Segundo a decisão judicial um total de 320 detentos deixarão o presídio nesse regime.

O crime

O empresário Dorian da Silva Santos, conhecido como Dorian da Telexfree, pré-candidato a prefeito de Serra Preta, foi encontrado morto na tarde de 19 de julho de 2016 no povoado de Caetano, no distrito de Humildes, em Feira de Santana. Dorian tornou-se conhecido por fazer fortuna através da empresa Ympactus Comercial S/A – conhecida popularmente como Telexfree.

Ele estava desaparecido após ter ido para a casa de um amigo na Avenida João Durval Carneiro, em Feira, dirigindo o automóvel SW4, branco, placa OKU-1162. Ele teria recebido uma ligação e comunicado que precisava resolver umas questões. Dorian teria que buscar a filha por volta das 17h, mas não compareceu no local combinado. O celular dele foi localizado em frente a uma empresa às margens da BR-324.

Prisão dos suspeitos

A Polícia Militar de Feira de Santana prendeu no dia 20 de julho de 2016 os suspeitos de matar o empresário. Davi Rios de Oliveira, 21 anos, e Joanderson Menezes Lima, foram presos na Avenida Eduardo Fróes da Mota, BR-324, próximo ao Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA), após praticarem um assalto no bairro Cidade Nova e trocarem tiros com policiais da 66ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM), comandada pelo major Mello Neto. Durante a operação, os policiais também recuperaram o veículo Toyota SW4 da vítima, já com a placa trocada e sendo usada na prática de assaltos.

Suspeita de encomendar a morte de Dorian, Daiane foi presa no dia 1º de agosto de 2016.

Ela informou à polícia que se encontrou com a vítima momentos antes do crime nas proximidades do antigo posto da PRF em frente a Universidade Estadual de feira de Santana (Uefs) e foram para uma residência alugada nas proximidades por Davi Rios de Oliveira, 21 anos, o “Davi Gordo”, suspeito de executar o crime com a participação de Joanderson Menezes Lima. Na casa, Daiane e Dorian tiveram relações sexuais e na saída ele foi abordado pelos dois homens e levado para Humildes, onde foi executado com seis tiros na cabeça. Antes, eles dispensaram o celular da vítima temendo serem rastreados.

Daiane mantinha também um relacionamento paralelo com “Davi Gordo” e disse ao Acorda Cidade que começou a se envolver com Dorian quando tinha 14 anos. Ela negou que tinha planejado o assalto.

Com informações do repórter Aldo Matos do Acorda Cidade.